Ahmed, que substituiu um cristão como capelão gerente em 2015, aparentemente afirmou que o estudo cristão que Song ensina é "muito radical" e que suas crenças cristãs eram muito "extremas", embora o artigo não esclarecesse quais pontos de vista em particular seriam tão questionáveis.

Song, que é ex-policial da Coréia do Sul, revelou que ele foi forçado deixar seu cargo em agosto de 2017, e mais tarde foi notificado que enfrentava "acusações de má conduta" contra um preso que acusou o capelão de se referir a ele como um "terrorista", embora Song tenha negado a acusação.

"Durante 19 anos, eu servi com um histórico exemplar", disse Song. "Trabalhei em harmonia com os detentos e outros membros da equipe, reconhecendo nossas diferenças e orando para que eles chegassem à fé, respeitando igualmente suas decisões e antecedentes".

O Centro Legal Cristão observou que Song ajudou a reabilitar os presos por quase duas décadas.

"Chamar esse cristão que serviu sem nenhuma má conduta por quase 20 anos, de 'extremista' desafia a crença de qualquer pessoa", disse o diretor executivo da CLC, Andrea Williams.

Williams disse ainda ao jornal Premier: "Encontramos em sites de organizações, como a 'Christian Concern', muitos ex-prisioneiros que foram impactados - e que suas vidas se transformaram - como resultado do trabalho, ministério e testemunho de pastor Song. Essa queixa nunca foi fundamentada".

"O nome do prisioneiro ao qual o imã se referiu como 'testemunho do extremismo' de Song em sua denúncia nunca foi revelado", acrescentou.

O Serviço de Prisão e Probação de Sua Majestade respondeu à notícia, afirmando que não pode comentar sobre membros individuais da equipe.

"No entanto, reconhecemos a importância da fé e o impacto positivo que pode ter sobre a vida dos infratores, e é por isso que há equipes de capelania de diversas religiões em cada prisão", explicou o departamento, de acordo com The Sunday Times.

Os capelães prisionais cristãos do Reino Unido foram forçados a sair de suas posições devido a denúncias contra suas pregações em várias ocasiões, nos últimos anos.

O reverendo Barry Trayhorn, um ministro pentecostal ordenado, disse que ele foi forçado a demitir-se em 2015 após um processo disciplinar "injusto e agressivo" que o acusou de citar versículos bíblicos que as autoridades consideravam "homofóbicas".

Trayhorn disse na época que ele estava apenas citando ensinamentos tradicionais, como 1 Corinthians 6, mas foi repreendido por violar as leis de igualdade.

"Eu fiquei muito decepcionado. Tudo o que estava fazendo era pregar a Bíblia e repetir a mesma mensagem de arrependimento que foi ouvida em muitos cultos", disse o ministro na época.

 

http://www.cpadnews.com.br/universo-cristao/43104/capelao-e-impedido-de-evangelizar-em-presidio-apos-muculmano-denuncia-lo-por-extremismo.html

' /> Capelão é impedido de evangelizar em presídio, após muçulmano denunciá-lo por `extremismo´ | SEMADEF
  Facebook   Youtube
doe
SEMADEF
Secretaria de Missões da Assembléia de Deus em Franca

Anunciem a sua glória entre as nações,
seus feitos maravilhosos entre todos os povos!

Salmos 96:3
INÍCIO
CONHEÇA
MISSÕES
MISSIONÁRIOS
PROJETOS
PARCEIROS
FOTOS
VÍDEOS
NOTÍCIAS
CONTATO
NOTÍCIAS   Pag. Anterior  
brasil 75
gospel 1
local 106
mundo 1141
NotÍcias mundo
Galeria de Fotos
Pastor Iraniano libertado
<< Início < Anterior
Fique por dentro dos ultimos acontecimentos. Curta e Compartilhe com seus amigos!
   
Capelão é impedido de evangelizar em presídio, após muçulmano denunciá-lo por `extremismo´-
 
Data: 08/02/2018 09:14
Novidade

Paul Song foi denunciado por um líder muçulmano, que o acusou de dar ensinamentos `extremistas´ em seus estudos nas prisões
Fonte: Guiame/ Com informações do Christian Post | 06/02/2018 - 12:30

Capelão é impedido de evangelizar em presídio, após muçulmano denunciá-lo por `extremismo´
Um capelão prisional do Reino Unido, que tem ajudado detentos há 19 anos, disse que foi forçado a sair de seu cargo no ano passado, depois que um imã islâmico o acusou de pregar crenças "cristãs extremistas".

O jornal 'Sunday Times' informou que Paul Song, de 48 anos, capelão cristão, foi deposto de seu papel na prisão de Brixton, no sul de Londres, após uma discussão com o imã Mohammed Yusuf Ahmed, o capelão que administrava o setor de capelania do local.

Ahmed, que substituiu um cristão como capelão gerente em 2015, aparentemente afirmou que o estudo cristão que Song ensina é "muito radical" e que suas crenças cristãs eram muito "extremas", embora o artigo não esclarecesse quais pontos de vista em particular seriam tão questionáveis.

Song, que é ex-policial da Coréia do Sul, revelou que ele foi forçado deixar seu cargo em agosto de 2017, e mais tarde foi notificado que enfrentava "acusações de má conduta" contra um preso que acusou o capelão de se referir a ele como um "terrorista", embora Song tenha negado a acusação.

"Durante 19 anos, eu servi com um histórico exemplar", disse Song. "Trabalhei em harmonia com os detentos e outros membros da equipe, reconhecendo nossas diferenças e orando para que eles chegassem à fé, respeitando igualmente suas decisões e antecedentes".

O Centro Legal Cristão observou que Song ajudou a reabilitar os presos por quase duas décadas.

"Chamar esse cristão que serviu sem nenhuma má conduta por quase 20 anos, de 'extremista' desafia a crença de qualquer pessoa", disse o diretor executivo da CLC, Andrea Williams.

Williams disse ainda ao jornal Premier: "Encontramos em sites de organizações, como a 'Christian Concern', muitos ex-prisioneiros que foram impactados - e que suas vidas se transformaram - como resultado do trabalho, ministério e testemunho de pastor Song. Essa queixa nunca foi fundamentada".

"O nome do prisioneiro ao qual o imã se referiu como 'testemunho do extremismo' de Song em sua denúncia nunca foi revelado", acrescentou.

O Serviço de Prisão e Probação de Sua Majestade respondeu à notícia, afirmando que não pode comentar sobre membros individuais da equipe.

"No entanto, reconhecemos a importância da fé e o impacto positivo que pode ter sobre a vida dos infratores, e é por isso que há equipes de capelania de diversas religiões em cada prisão", explicou o departamento, de acordo com The Sunday Times.

Os capelães prisionais cristãos do Reino Unido foram forçados a sair de suas posições devido a denúncias contra suas pregações em várias ocasiões, nos últimos anos.

O reverendo Barry Trayhorn, um ministro pentecostal ordenado, disse que ele foi forçado a demitir-se em 2015 após um processo disciplinar "injusto e agressivo" que o acusou de citar versículos bíblicos que as autoridades consideravam "homofóbicas".

Trayhorn disse na época que ele estava apenas citando ensinamentos tradicionais, como 1 Corinthians 6, mas foi repreendido por violar as leis de igualdade.

"Eu fiquei muito decepcionado. Tudo o que estava fazendo era pregar a Bíblia e repetir a mesma mensagem de arrependimento que foi ouvida em muitos cultos", disse o ministro na época.

 

http://www.cpadnews.com.br/universo-cristao/43104/capelao-e-impedido-de-evangelizar-em-presidio-apos-muculmano-denuncia-lo-por-extremismo.html


 
 

De sorte que a fé é pelo ouvir, e o ouvir pela palavra de Deus.

Romanos 10:17

SEMADEF
SECRETARIA DE MISSÕES DA ASSEMBLÉIA DE DEUS EM FRANCA
Rua General Osório, 555 - Estação / CEP: 14.405.107 / Franca - SP / Fone: (16) 3721.0810 - Mail: contato@semadef.com.br
Facebook Google + You Tube
Total de Visitas:
Desenvolvido por: FLAG BRASIL